quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

E lá vamos nós! versão gueixa: (Ikimashyo!) \o/




Olá Grifos, pausa para o gif inicial!


Hoje nós vamos conversar sobre um dos maiores símbolos da cultura japonesa, as Gueixas. Mas, o que é uma Gueixa? É um prato tipico japonês? Não, eu sei que vocês já ouviram falar nelas (neles), mas muita gente, me incluo, não sabe ou sabia o que de fato el@s representam para a sociedade japonesa. vamos tentar entender juntos o papel dessas figuras na sociedade japonesa.



Gueixa: Em primeiro lugar, é legal ressaltar que a romanização varia entre: "gueisha" e "gueixa", de todo modo a pronuncia certa é esta ultima. Que, por acaso, ou não, significa artista.

Origem Das Gueixas:

Bom, para tentar explicar a origem das gueixas, temos que lembrar primeiro que o Japão divide seu tempo em eras do império; por exemplo, quando os Xóguns, da família Tokugawa assumiram o poder, o período ficou conhecido como "Era Edo" (1603- 1867); no inicio do seculo XVII, para os ocidentais, o "Xogunato" adotou medidas para dar maior estabilidade interna, mas principalmente para manter o poder dos Tokigawa forte e sem ameaças, na pratica isso quer dizer que a forma de governo se tornou centralizada no imperador, e o controle da vida social se fez muito maior, a religiosidade dos japoneses também foi muito relevante para todo esse poder do império, já que seu líder era o descendente direto dos deuses, acho que já ouvimos essa historia em algum lugar, não?


Assim com o sufocante controle sobre a vida social e com a proibição da mulher à pratica de qualquer outra função além da de dona de casa, cuidando dos filhos e marido; o espaço das mulheres na sociedade ficou vazio, isso ficou mais evidente no teatro, que é uma das artes que  imitam a vida mais dinâmicas; Ai então o jeito foi vestir os atores como mulheres para suprir a presença feminina nas apresentações teatrais; e supondo que esses artistas viram que deu certo eles passaram a se apresentar em outros locais além palco. Acreditamos (Minhas fontes e eu) que foi mais ou menos assim que surgiram as primeiras gueixas, nesse caso Otoko gueishas (Homens Gueixa). Por isso uma pausa ainda sobre gênero:


Os Taikomochi, como eram conhecidos esses homens que se apresentavam vestidos como mulheres, era personagens de enorme prestigio social junto do imperador também, eram conselheiros em diversas áreas, contavam historias engraçadas, davam conselhos amorosos, de guerra ao imperador e também iam a guerra com os samurais. Só depois passaram a ser conhecidos como gueixas, e quando surgiram as primeiras mulheres no ramo (Onna gueishas) ficaram conhecidos como Otoko Gueishas
.
Otoko Geisha (Artistas masculinos)

O papel social das mulheres:
As moças de família deveriam casar-se com um desconhecido escolhido pelo pai e seguir os passos de sua mãe e dar muitos descendentes (de preferencia meninos) ao seu marido; mas, e as moças que não tinham famílias? E as moças que não tinham um marido? Bom, para elas restava sustentar-se trabalhando em pequenas casas de shows e bares, onde tinham que se submeter à outra figura masculina, seu chefe , para quem, naturalmente, agradar os clientes implicava impor a prostituição às suas empregadas, talvez por isso nesse momento, e por muito tempo ainda, ser uma mulher artista significava ser uma mulher fácil, indigna de respeito. Opa! Mais uma vez não é estranho ler isso, certo?


Podemos acordar que o papel social das gueixas é a preservação da cultura japonesa, mas estamos mencionando isso a um tempo e continua vago, certo? Pois bem, os japoneses aprenderam a muito tempo atrás a serem muito orgulhosos de quase tudo o que fazem e criam, algo que costumamos chamar de patriotismo; A era Edo (1603- 1867) foi muito importante no sentido de valorizar toda a produção cultural japonesa, a musica, a dança, o canto, o teatro; a historia do Japão em si, e coincidentemente ou não era isso que as gueixas aprendiam nessa época, porque hitava, mas com o passar do tempo e com o contato com outros países veio a modernização e toda aquela cultura que começou e fez sucesso na era Edo foi considerada clássica, e as gueixas que continuavam a aprender e a se apresentar como suas ancestrais, foram consideradas guardiãs da cultura clássica japonesa.
É importante lembrar que o processo para se tornar uma gueixa foi sendo construído conforme o passar do tempo e com a demanda do publico de sua época. 


O lugar definido da Gueixa:

Em 1636 a Era Edo estava finalmente começando a se estabilizar e a relativa paz se instalava, sendo assim o governo quis desenvolver as cidades, e podemos dizer, se modernizar? Sendo assim, impôs aos daimyõs (senhores feudais das províncias) que passassem um período de tempo nas cidades e que levassem seus samurais; assim o desenvolvimento urbano no Japão começou a ser trabalhado, foram abertos restaurantes, casas de shows, casas de ferramentas; uma infinidade de serviços que atenderiam ás necessidades destes homens e claro também os bordeis.
Esses últimos que forma uma "sacada de mestre" do governo Xogun, já que quando a prostituição era ilegal as moças tinham autonomia, na medida do possível e seu lucro era para elas; com a legalização da prostituição foram instalados bordeis oficiais do império...


Não, pera... Não é esse império exatamente!
Enfim o governo também passou a lucrar com a diversão dos bordeis. mas, a grande questão dessa legalização dos bordeis é que foi desenhada uma linha, que ate então não era bem definida, entre as prostitutas e as gueixas; dentro de um contexto de uma sociedade patriarcal, e colocando em termos atuais, falocêntrica; as prostitutas foram confinadas em bordeis, sem liberdade e com a tarefa de divertir os homens que só faziam sexo com as esposas para procriação, e iss não era divertido e para isso estavam ai as prostitutas.
É interessante notar que mesmo muito tempo de pois ainda se vê muito desse comportamento no japoneses, infelizmente se tornou um traço cultural.


Vocês podem pensar que a vida das gueixas era muito melhor e mais glamourosa que a das prostitutas, mas nem tanto; na maioria das vezes, famílias pobres vendiam suas filhas para as Okiya's (Casas de gueixas) do Hanamachi (Rua das flores) um bairro japonês dominado por Okiya's; era uma boca a menos para alimentar e ainda tinha um dinheiro para sobreviver por mais um tempo; Essa situação era muito comum em momentos de crise financeira no país. Essa seria a primeira divida das meninas que iam para as Okiya's, depois tinha as despesas com o arroz que comiam, as roupas que vestiam, e se a Okasan (a chefe da família da casa - mamãe) assim quisesse ainda haviam os gastos com a educação para se tornar gueixa; somando tudo era uma divida muito grande para uma Maiko (aprendiz de gueixa) pagar sozinha.


Para se tornar uma gueixa completa era preciso passar por muitos rituais, dentre eles o ritual do leilão do Mizuagi* era uma cerimonia bem simples e discreta, em que o sucesso dependia de sua imagem e da fama, sendo assim os homens davam lances para ter uma noite com a gueixa; assim essa ultima conseguiria pagar suas dividas com a casa de gueixas e ter um pouco mais de liberdade; é nesse ponto que geralmente as gueixas de diferenciavam das prostitutas, já que não vivam da prostituição, por isso essa não era sua profissão.


Onde estão as gueixas agora?

Quando eu comecei esse post sobre as gueixas, não! Bem antes, quando eu assisti pela primeira vez ao filme "memórias de uma gueixa", eu fiquei me perguntando se ainda existem gueixas no Japão. Depois disso eu fiz algumas pesquisas e finalmente consegui ler e fazer uma resenha de Memórias de uma gueixa de Arthur Golden. <3
E a resposta é sim! Depois da segunda guerra el@s vem diminuindo em numero, mas ainda exitem principalmente em Tóquio e Kyoto, mas a "reputação" ou o status delas mudou bastante porque as prostitutas se diziam gueixas para os idio... digo os soldados americanos. Hoje em dia ainda existem Okiya's (Casa de gueixas) mas poucas são tradicionais, os Taikomochi também diminuíram muito apos a segunda guerra, ate mais que as onna gueishas; depois do conflito ambos não precisaram mais trabalhara para ajudar na guerra e tiveram permissão para voltar a seu verdadeiro oficio, mas poucos o fizeram.
Gueixas atuais o fazem por amor ao oficio e por seguir os passos de seus pais, na maioria das vezes da mãe em especifico.


Para você Grifo que leu ate aqui e que ficou interessado em saber mais sobre o tema e que sabe bastante inglês, você pode ler o livro GHEISHA de Lisa Dalby, que conseguiu uma façanha e tanto, se tornou e conviveu com gueixas, como uma das suas em uma das Okyas mais tradicionais de Pontochõ, mesmo sendo estrangeira, o que resultou em uma pesquisa muito rica publicada pela University of California Press; O livro é vendido sob encomenda pelas livrarias Nobel, Cultura e Saraiva e também vi na Estante virtual. Se você quiser apenas se distrair quando não tiver nada para fazer assista o filme "Memorias de uma gueixa" use o seu pensamento critico e venha conversar comigo sobre o assunto e também descobrir que eu usei muitos gifs do filme nesse post.


É isso meus queridos, esse post faz parte do especial Culturas, por isso não esqueçam de dar uma olhada nos outros posts desse especial. ate a próxima! Mattane. <3

Bônus:








Fontes de pesquisa:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...