domingo, 25 de outubro de 2015

Drácula de Bram Stoker (o livro)


"Ei-nos de volta à sepultura. É menos lúgubre do que à noite; o sol toma parte no espetáculo. Van Helsing levantou a tampa do caixão. Eu me aproximo. Horror! Ela está lá! Ela está bem lá! Ela está lá, tal como a vi na noite de sua morte, mais bela ainda, se é possível. Nenhuma alteração em seu rosto; a pele clara, as faces rosadas e os lábios vermelhos atestam a vida.
— Você está vendo — disse Val Helsing.
Ele insinua a mão no caixão e descobre os dentes da mulher.
— Estão mais agudos do que antes — disse ele —, e eis os dois caninos que ferem, no pescoço, as crianças."
(páginas 146 e 147)
1897! Pois é... o vampiro mais  conhecido da cultura pop teve seu livro escrito pelo irlandês Bram Stoker em 1897; o livro em si é uma reunião de fragmentos, é como se alguém que realmente existiu tivesse juntado cartas, páginas de diários e até de reportagens para montar o texto final, a forma como o Drácula é estruturado foi pra dar essa aura de veracidade à narrativa.

Nessas páginas estão várias lendas de vampiros, lobisomens e outras coisas... Dentre elas a que mais influenciou Stoker foi a do príncipe Vlad Tepes, o empalador, que corria matando gente ali pela Romênia nos tempos das Cruzadas; a história dele mistura vingança, o pavor que as pessoas tinham  dele, uma história de que era imortal, crueldade, e um nome legal. Pronto! Está feito um vampiro, certo?

Tá, deixa eu explicar o negócio do nome: quando o pai do Vlad entrou pra uma fraternidade chamada de Ordem do Dragão pegou o apelido de Dracul (dragão); depois do pai morto, Vlad começou a usar o nome Draculea (filho do dragão) no caderno de fiados da quitanda da esquina.

Só se poderia esperar histórias bem alegres sobre o senhor Draculea que nas horas vagas passeava pelos campos empalando gente, "e o que seria isso, mesmo?" Se não quiser ler uma breve explicação sobre empalação pode pular... Pois bem, pra empalar uma pessoa (anote a receita) você precisará de uma estaca e claro de uma pessoa; com esta ainda viva, a estaca iria atravessá-la a partir do umbigo ou de preferência pelo ânus, agora é só deixá-la morrer e sofrer bastante. Ok... Depois desses pensamentos fortes vou deixá-los descansar um pouco com essa imagem relaxante:



Não pera...

Deixa pra lá, melhor continuar. 

Resumindo Drácula é o seguinte: Jonathan Harker é enviado para a Transilvânia (Romênia) para fechar um negócio com um tal de Conde Drácula que quer comprar uma propriedade em Londres, e o quanto antes se mudar para lá. "Um rango legal, é o que procuramos. Três vezes ao dia é o que precisamos (...) Se alguém vacilar vai ser nosso almoço." 

Aqui é o vampiro de raiz mesmo: sem reflexo, sedutor, fica fraco se longe da terra onde fora enterrado, crucifixos e alho o afetam, a luz do sol também, faz familiar (aqueles escravinhos humanos) etc.

"— Vim atender ao seu apelo, Mestre. Sou seu escravo e o servirei fielmente. Há muito tempo que eu o adoro, e por isso é que espero recompensa idêntica."

(Página 96)
Há milhares de adaptações da história do Drácula, tem o Nosferatu de 1922,teve um filme recentemente que não assisti ainda, tem uma série também, e vários outros filmes... Como não vamos falar de nenhum aqui (por enquanto) fiquem com uma das minhas cenas preferidas do Drácula de Bram Stoker do Coppola: 




Ficha Técnica 

Título: Drácula

Autor: Bram Stoker

Tradutor: Lúcio Cardoso

Editora: Civilização Brasileira

Ano: 2013 (1ª edição)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...